Demanda por investimentos em ESG cresce, necessidade de dados de alta qualidade também aumenta

Por Brad Foster, Head Global de Conteúdo de Dados Corporativos na Bloomberg e David Tabit, Head Global de Dados de Equity na Bloomberg.

A mudança climática já começou a afetar os negócios, com condições climáticas extremas, inundações, incêndios florestais e secas, ameaçando os ativos e as cadeias de suprimento da empresa. À medida que o ambiente evolui, as empresas que melhoram sua eficiência energética e criam novos produtos e serviços sobreviverão e as empresas que demoram a mudar terão dificuldades. A comunidade de serviços financeiros está bem ciente desse desafio e muitos gestores de fundos profissionais estão agora procurando maneiras de integrar dados Ambientais, Sociais e de Governança Corporativa (ESG em inglês) em suas abordagens de investimento para gerenciar melhor os riscos e encontrar oportunidades em um mundo em constante mudança.

De acordo com o Relatório de Tendências SIF 2018 dos EUA, o aumento do apetite do investidor e o potencial de retornos ajustados ao risco aumentaram os ativos totais em estratégias de investimento sustentável para U$ 12 trilhões nos Estados Unidos, ou um quarto de todos os ativos profissionais sob gestão. O valor é de até 38% desde 2016, com crescimento de dois dígitos esperado nos próximos anos.

No entanto, enquanto o investimento em sustentabilidade se torna algo regular, investidores do setor encontram dificuldades. Um dos pontos mais sensíveis é a falta de acesso a dados consistentes e confiáveis de ESG.

Investindo em um futuro sustentável Acesse o relatório

Investidores dependem de dados de ESG para identificar quais companhias podem estar melhor posicionadas para suceder na área sustentável. No entanto, a falta de padrões de relatórios consistentes para dados ESG apresenta uma grande barreira para a crescente adoção de investimentos sustentáveis. Obstáculo que obriga investidores a gastar uma quantidade excessiva de recursos já limitados, tentando padronizar e interpretar dados não estruturados, desacelerando investidores experientes e inibindo a entrada de novos participantes no campo.

Embora possa levar anos até que os dados ESG fiquem totalmente padronizados, a comunidade de investimentos pode tomar medidas agora para acessar dados ESG mais significativos e acionáveis para tomar decisões de investimento mais bem informadas.

A razão para a padronização

Uma das principais questões para os investidores de ESG hoje é a falta de dados padronizados no mercado. As empresas que relatam suas próprias métricas de desempenho ESG estão tentando satisfazer a crescente demanda de investidores e partes interessadas por mais e melhores dados. Atender a essa demanda é desafiador, devido à grande quantidade de requisitos e plataformas de relatórios e à falta de padrões consistentes de relatórios para o desempenho de sustentabilidade. Como resultado, diferentes pontos de dados podem ser relatados em empresas do mesmo setor, assim como diferentes pontos de dados podem ser reportados pela mesma empresa de um ano para o outro.

Os investidores agora enfrentam o desafio de avaliar mais dados gerados pelas empresas, incluindo uma ampla gama de relatórios, documentos, arquivamentos e sites de sustentabilidade, aumentando ainda mais a confusão e o nível de esforço necessário para entender essas novas formas de avaliar como a gerenciamento da empresa cria ou destrói valor. Apesar dessas inconsistências nos dados, organizações como o Sustainability Accounting Standards Board fizeram um imenso progresso na criação de padrões de relatórios. Recentemente, SASB lançou 77 normas contábeis específicas do setor que ajudam os investidores a entender como as questões de sustentabilidade de materiais podem afetar o desempenho financeiro da empresa. Esses padrões foram adotados publicamente por uma dúzia de grandes empresas internacionais. E enquanto o SASB e organizações como a Global Reporting Initiative – cujos padrões são utilizados por 75% das 250 maiores empresas do mundo – permitem uma ação real e benefícios materiais positivos para todos, eles também criam mais informações para serem analisadas. Esse influxo de dados não estruturados aponta para a necessidade de um provedor de dados para empacotar e apresentar essas informações em um formato facilmente consumível.

Provedores de dados, como a Bloomberg, preenchem essa lacuna fornecendo aos investidores acesso a dados ESG de alta qualidade em um formato projetado para fácil integração ao processo de investimento. Este processo de padronização melhora e acelera o processo de tomada de decisão de investidores da área de sustentabilidade.

Outro desafio enfrentado com os conjuntos de dados atuais de ESG é que algumas empresas produzem – e alguns provedores de dados publicam – informações que são apenas parcialmente mensuradas e contabilizadas. Por exemplo, uma empresa pode relatar as emissões de carbono de todo o seu negócio, enquanto outra empresa pode relatar apenas as emissões de carbono para sua sede, mas não para seus outros locais ou operações.

Classificação transparente é igual a investimento mais inteligente

Conforme o movimento de investimento sustentável evoluiu, o mesmo ocorreu com a difusão de pontuações de ESG, que fornecem uma única métrica para avaliar as empresas em uma série de questões. Essas pontuações provaram ser uma métrica útil para avaliar facilmente os investimentos. No entanto, essas pontuações estão caindo em desuso com os investidores devido à falta de transparência, entre outras questões.

Muitos investidores institucionais estão expressando o desejo de ir além de usar pontuações geradas por terceiros, que geralmente refletem não apenas os dados reportados de uma empresa, mas também a opinião do analista de criar a pontuação. Outra questão com a metodologia de pontuação é que as pontuações do ESG são frequentemente criadas usando uma abordagem de tamanho único que mede desproporcionalmente certos fatores em relação à pontuação ESG geral de uma empresa. De fato, para quase dois terços de todos os títulos do índice Russell Global Large Cap, menos de 25% dos itens de dados usados para calcular suas pontuações ESG são considerados materiais, de acordo com um estudo da Russell Investments que usou os padrões SASB para determinar materialidade.

A inconsistência nesses padrões é o motivo pelo qual as pontuações podem variar muito entre as plataformas de classificação ESG conhecidas. Muitas dessas discrepâncias resultam não apenas das pontuações específicas atribuídas a cada componente (E, S ou G), mas também de como cada plataforma escolhe ponderar cada pontuação para determinar a classificação cumulativa de ESG. Reconhecendo as deficiências dessa abordagem de caixa-preta, os investidores sofisticados de hoje preferem cada vez mais os dados ESG brutos às pontuações do ESG porque permitem que eles personalizem os conjuntos de dados para suas necessidades. É por essa razão que os gestores de ativos estão cada vez mais integrando fatores individuais de ESG em seus processos tradicionais de pesquisa de crédito e equity e gerenciamento de portfólio. Em particular, os que demonstraram grande interesse em incorporar dados ESG em seus modelos, já que eles geralmente se baseiam em conjuntos de dados históricos para testar seus modelos de investimento e um longo histórico de dados confiáveis permitirá que essas empresas tomem decisões de investimento mais bem informadas.

Uma abordagem melhor para esse desafio de dados é aquela que permite que as empresas de gerenciamento de investimentos atribuam suas próprias pontuações a empresas públicas. Trabalhar com dados ESG relatados diretamente pelas empresas pode ajudar a atender a essa necessidade, permitindo que os investidores ponderem os fatores com base em seus valores e nas questões que acreditam ter maior impacto financeiro em uma base específica de setor, indústria ou empresa. Por exemplo, um fundo focado em diversidade de gênero pode selecionar empresas com forte diversidade política de pluralidade em seu conselho, enquanto um gerente que se preocupa fortemente sobre questões sociais pode aplicar maior peso às práticas trabalhistas de uma empresa.

Dados que atendem a todos os investidores

Um número crescente de investidores está percebendo a correlação positiva entre sustentabilidade e desempenho financeiro e quer se envolver. No entanto, observar os dados atuais de ESG pode levar a mais confusão. Ou os investidores estão sobrecarregados pela quantidade de dados não estruturados, ou são atraídos por resultados ESG contraditórios de terceiros, que dificultam a decisão sobre onde investir.

Ao passo que o mercado ESG cresce e se expande pela indústria de gestão de ativos, os investidores com visão de futuro querem adotar uma abordagem mais sofisticada. Os investidores focados em sustentabilidade não querem mais depender apenas das recomendações externas e das pontuações de ESG, enquanto os novatos no setor são cautelosos com os chamados greenwashing, em que os gerentes fazem reivindicações injustificadas sobre a integração do ESG. Para que o movimento de investimentos sustentáveis continue a crescer, é fundamental que todas as partes trabalhem juntas em melhorias na qualidade, quantidade e acessibilidade dos dados ESG.

Data de publicação original: 24 de abril de 2019

Agende uma demo.