Dados de mercado e melhorias na granularidade das análises de execução estiveram entre os principais temas de 2017, com os melhores requisitos de execução prestes a entrar em prática com a nova Diretiva de Mercados em Instrumentos Financeiros da União Europeia (conhecida pela sigla MiFID II) guiando a tendência.

A Bloomberg foi eleita a melhor provedora de dados de mercado de câmbio na edição 2017 do FX Week Best Banks Awards, por seus esforços no segmento de câmbio spot (à vista) e forwards (a termo) e de benchmarking (referências).

“Estamos honrados em vencer este prêmio, que traduz a força de toda a equipe Bloomberg FX e seu empenho para produzir dados de preços spot e análises de qualidade”, diz Colin Gallagher, diretor global de produtos e análises de FX da Bloomberg.

No segmento spot, a companhia desenvolveu o Bloomberg Generic Executable (BGNE), produto de preços spot derivado de cotações de compra e venda executáveis.

“Trata-se de um algoritmo de preços 100% composto pelos fluxos de preços de spot executáveis que recebemos de nossa plataforma de câmbio, a FXGO. Começamos a trabalhar o produto com 45 pares de moedas no final de 2016 e, no início de 2017, adicionamos novas moedas chegando aos atuais 110 pares”, diz Gallagher.

Recentemente, a Bloomberg adicionou faixas de volume com até cinco bandas nas moedas mais líquidas, desdobrando os fluxos de preços em tamanhos de 3 a 5 milhões, 5 a 10 milhões, 10 a 20 milhões, 20 a 30 milhões e mais de 30 milhões. A empresa disponibilizou também os preços de mercados emergentes, como Colômbia, Chile, Índia e Tailândia, e os clientes estão usando cada vez mais o BGNE como ferramenta de análise do custo da transação.

“Os feedbacks dos clientes foram ótimos. Eles adoraram ver os volumes executáveis associados a um preço, pois isso ajuda a equipe de vendas a entender como está a liquidez de determinado par de moedas em nossa plataforma”, completa Gallagher.

No segmento de câmbio a termo, a Bloomberg se dedicou a resolver a questão das mudanças de preço no final de um trimestre, semestre e ano. Determinar corretamente o preço nessas datas tem sido um desafio para os operadores, pois ele não é mostrado nas plataformas, nem publicado pelas corretoras.

A Bloomberg construiu um mecanismo de precificação para calcular as chamadas datas-pilares, que são as tendências de preços no fechamento do trimestre disponíveis na calculadora de câmbio a termo da companhia. Isso significa que, pela primeira vez, os clientes conseguem ver os preços nas datas-pilares.

“Segundo os clientes, estamos derrubando décadas de barreiras à descoberta de preços e trazendo transparência ao mercado a termo”, diz Gallagher.

Esforços de Benchmark

Em maio de 2016, a empresa lançou sua família de referências – compatível com a Iosco, organização internacional de reguladores de valores mobiliários – para oferecer uma solução para benchmarking de portfólio em câmbio e uma alternativa de bom custo-benefício aos produtos existentes.

Este ano, ela foi ajustada para refletir diferentes datas de liquidação de moedas e para superar algumas variações no P&L causadas por datas discordantes.

“Os clientes nos dizem que a BFix é muito útil quando as moedas têm datas de liquidação diferentes, um problema que existe há décadas”, completa Gallagher.