Comunicado do Copom deve calibrar inflação e riscos externos

Por Felipe Saturnino.

Último Copom de 2018 deve manter a Selic estável em 6,5%, para a unanimidade dos 28 economistas sondados em pesquisa Bloomberg, em meio a um cenário de inflação ancorada e atividade econômica moderada. Comunicado do Banco Central deve reavaliar riscos externos e diminuir projeções para inflação, dizem analistas. Postergação do início do ciclo de aperto também está radar do mercado, com percepção de que, somado à inflação mais favorável, um Fed mais dovish permitirá juro estável em 2019.

Cobertura completa do Copom Acompanhe em tempo real na função TLIV no seu Terminal Saiba mais

As apostas implícitas para a Selic ano que vem na curva de juros ainda indicam um processo de alta, mas o prêmio vem caindo desde o início do mês. Movimento segue deflação dos preços ao consumidor, como o IPCA de sexta, e também dados da economia americana. Na mesma linha, a mediana das projeções para o IPCA 2019 na pesquisa Focus caíram de 4,11% para 4,07%.

Para o Itaú, as projeções de inflação do Copom para 2019 provavelmente recuarão no cenário de mercado e se manterão estáveis no cenário de referência. “Conforme observado nas últimas reuniões, o comitê deve se abster de sinalizações mais diretas a respeito de seus próximos passos, a fim de manter sua flexibilidade em um contexto ainda substancialmente incerto, tanto doméstica quanto internacionalmente”, diz o banco, em relatório assinado pelo economista-chefe Mario Mesquita.

Há a necessidade ainda de se avançar nas reformas, que “ainda não foram endereçadas”, disse Leonardo Sapienza, economista-chefe da Tesouraria do Banco Votorantim.

De acordo com Gustavo Rangel, economista-chefe para América Latina do ING Financial Markets, de fato a política fiscal é o fator mais determinante para o juro, olhando à frente. A perspectiva inflacionária é “super confortável”, mas o câmbio pode se depreciar muito e as expectativas inflacionárias desancorarem se a proposta para a nova Previdência fracassar no Congresso, disse.

Analistas chamam atenção ainda para o processo de normalização monetária em economias desenvolvidas. Adauto Lima, economista da Western Asset, diz que o BC deve “reavaliar marginalmente” o ambiente externo, e outros riscos entrarão no radar da autoridade monetária. Segundo ele, um Fed mais acomodatício prenuncia um novo problema: um menor crescimento mundial. “É um novo tipo de risco, o de desaceleração”, afirmou.

Solange Srour, economista-chefe da ARX Investimentos, ainda prevê uma elevação de 200 pontos-base do juro em 2019 por uma aceleração do PIB mais forte que a esperada. Em um cenário sem reforma da Previdência, taxa de câmbio depreciada e inflação contaminada, o aperto pode ser da ordem de 500 bps. No entanto, ela acredita que um aperto pode ficar em stand-by por tempo maior do que a expectativa. “Se havia dúvidas quanto a isso, acho que a alta está sendo cada vez mais postergada.”

A cobertura do Copom desta quarta-feira também será feita no formato blog pelo {TLIV} em português, a partir das 18:10, via Terminal da Bloomberg. O blog também pode ser acessado pelo app da Bloomberg Professional no celular.

Entre em contato conosco e assine nosso serviço Bloomberg Professional.

Agende uma demo.