Libor de três meses em dólar pode ganhar indulto de aposentadoria para meados de 2023

Por William Shaw, Liz Capo McCormick e David Torres

O administrador da Libor em dólar considera uma extensão de prazos-chave no benchmark de taxa de juros desvalorizada até o final de junho de 2023, de acordo com uma declaração do “Board of Governors of the Federal Reserve System”, da “Federal Deposit Insurance Corporation” e do “Office of the Comptroller of the Currency”.

A ICE Benchmark Administration Ltd. poderia estender a Libor de três meses em dólar em um ano e meio além da sua data de aposentadoria prevista anteriormente, cuja expectativa seria o final de 2021. As taxas Libor de seis meses e de 12 meses em dólar também poderiam ser postergadas.

Como acompanhar a transição da LIBOR? Saiba mais

A taxa de oferta interbancária de Londres é um dos pilares do sistema financeiro global e ainda escora ou está atrelada a centenas de trilhões de dólares em ativos financeiros. Os reguladores começaram a buscar a aposentadoria da Libor após os escândalos de manipulação e subsequente escassez de dados de negociação utilizados para compor a taxa, mas tais esforços foram minados durante a pandemia do coronavírus.
O IBA fará consultas sobre os planos para deixar de publicar a Libor de uma semana e de dois meses no prazo, de acordo com a declaração.

“Estender a publicação de certos prazos da Libor em USD até 30 de junho de 2023 permitiria que a maioria dos contratos antigos atrelados à Libor em USD vencessem antes que a Libor sofra interrupção”, declararam.

Um alto funcionário do Federal Reserve declarou que o caminho sendo definido exige que os bancos parem de emitir novos contratos atrelados à Libor em dólar americano no final de 2021, mas permite que a maioria dos contratos antigos emitidos antes disto atinja a data de maturidade antes da Libor ser descontinuada.

Agende uma demo.