Os highlights da decisão do Copom: 12 de dezembro

Esses são os highlights da decisão do Copom:

  • Copom manteve a taxa Selic em 6,5% em decisão unânime e amplamente esperada
  • Projeções de inflação foram significativamente reduzidas: em 2018 de 4,4% para 3,7%, em 2019 de 4,2% para 3,9% e em 2020 de 3,7% para 3,6% no cenário com juros e câmbio do Focus
  • Comunicado visto como dovish. Copom inclui que houve “arrefecimento” do risco de frustração com a continuidade das reformas e retira trecho sobre redução da assimetria do balanço de riscos
  • Goldman Sachs diz que decisão foi fácil e perspectivas de inflação permanecem confortáveis; Haitong destaca retirada do trecho de que o estímulo deverá ser retirado gradualmente
  • Isabela Guarino da XP diz que “as taxas de juros devem fechar, com retirada de prêmios de alta da curva”
Cobertura completa do Copom Gostaria de ter acesso em tempo real? Saiba como

Por ora, mantemos a expectativa de que a Selic comece a ser gradualmente normalizada a partir do 3o trimestre de 2019 – quando o Copom já estará começando a mirar a inflação de 2021. Contudo, sem rupturas externas ou em reformas, o risco é assimétrico – parece mais provável que a normalização comece mais tarde do que mais cedo do imaginado.

Queda das projeções de inflação sugere que, tecnicamente, o BC teria espaço até para cortar a Selic. Provavelmente, o BC só não o faz devido aos riscos para as reformas – importantes para dar perenidade à inflação baixa – e às incertezas externas, que colocam o câmbio na berlinda.

Copom também cita arrefecimento do risco de frustração das expectativas sobre a continuidade das reforma. Outro placar que reforça o grupo dovish. Só há mais intensificação deterioração do cenário externo. Sugere um placar de 2 pontos para os dovish e 1 para os conservadores.

“Chama atenção projeções de inflação extremamente benignas, abaixo da meta em 2019. Arrefecimento do risco tem a ver com a eleição do presidente, que tem intenção de fazer reforma. É improvável que exista aumento da Selic, logo curva de juros terá de ser menos inclinada no longo prazo.”
Gustavo Rangel, economista-chefe para América Latina do ING Financial Markets

“Inegavelmente foi muito dove. Se ligarmos todos os pontos de descrição do cenário com projeções e riscos, todos tiveram elementos dove. Cenário para subir juros está muito longe, precisaria de acontecimentos muito fora do radar. Provavelmente alta de juros só acontecerá entre primeiro e segundo trimestre de 2020.”
Ivo Chermont, economista-chefe da Quantitas

“O destaque foi a indicação que o BC viu uma melhora do balanço de riscos, tirando inclusive a indicação que via o balanço de riscos assimétricos”
Isabela Guarino, economista da XP Investimentos

Entre em contato conosco e assine nosso serviço Bloomberg Professional.

Agende uma demo.