Petrobras perde influência no Brasil com chegada de estrangeiras

Por Sabrina Valle.

Quando o assunto é produção de petróleo, Petrobras e Brasil sempre foram uma coisa só. Mas isso agora está mudando.

A estatal respondeu por 75 por cento da produção do Brasil em fevereiro, contra 93 por cento em 2010, no fim do governo Luiz Inácio Lula da Silva. A presença começou a cair com a produção do pré-sal, no governo Dilma Rousseff. E se acelerou desde que Michel Temer assumiu o governo em 2016 e abriu o setor para estrangeiras. Em dois anos, a Petrobras reduziu em 7 pontos percentuais sua participação de mercado, mesma fatia que a empresa levou 13 anos para perder desde o fim do monopólio, há 20 anos.

O domínio da estatal tende a se reduzir ainda mais à medida que as gigantes do petróleo, entre elas Exxon Mobil, Total e Statoil, correm para garantir participações no pré-sal, uma das zonas petrolíferas mais promissoras já descobertas no mundo, grande demais para uma só empresa.

De setembro para cá, o Brasil realizou três leilões de blocos de petróleo e há outro programado para junho. As mudanças são ao mesmo tempo uma bênção e uma maldição para a Petrobras: a empresa perde o controle absoluto da produção de petróleo do país, mas ganha caixa e tecnologia por meio de parcerias com grandes petroleiras estrangeiras. Nos últimos três anos, o volume de petróleo produzido pela estatal se manteve praticamente estável em 2,1 milhões de barris/dia, com leves altas. Um crescimento maior é esperado para 2019, com a entrada de um número recorde de plataformas.

“Não é que seja bom (a Petrobras perder participação de mercado), mas é importante a chegada de outras empresas”, disse o diretor de Estratégia da Petrobras, Nelson Silva. “E não dá para fazer uma coisa sem a outra.”
A redução relativa da Petrobras vem, em parte, da decisão do governo em 2003 de atrofiar o caixa da companhia com investimentos em refino e desviar o foco da produção de petróleo, disse Samuel Pessoa, economista da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Muitos desses projetos viraram alvos da Operação Lava Jato e geraram baixas contábeis de dezenas de bilhões de dólares em meio à queda dos preços internacionais do petróleo.

“A redução do papel da Petrobras não é ruim, é boa”, disse Pessoa, em entrevista. “O ruim é o Brasil não estar produzindo os 4 milhões de barris por dia como planejava.”

Mas isso pode mudar em breve, considerando que as empresas estrangeiras estão expandindo os esforços no país. A Exxon, por exemplo, investiu mais de US$ 2 bilhões com parceiras na aquisição de 22 licenças offshore apenas nos últimos seis meses.

“Chegou um momento em que a oportunidade, junto com as mudanças geradas pelas reformas deles, aumentou a atratividade para nós”, disse o vice-presidente de relações com investidores da Exxon, Jeffrey J. Woodbury, em 2 de fevereiro, em conferência com analistas.

O Brasil superou o México e a Venezuela e se tornou o maior produtor da América Latina, além de ser uma das principais fontes de crescimento da produção de fora da Opep dos últimos anos. O Brasil não divulga estimativas de reservas do petróleo do pré-sal, mas a Agência Nacional do Petróleo (ANP) considera a região a maior descoberta do planeta nos últimos 50 anos.

Outros ganhos de estrangeiras decorrem de uma combinação de projetos de exploração que estão chegando à fase de produção, como os campos offshore de Sapinhoá, nos quais a Petrobras tem como parceiras a Royal Dutch Shell e a Galp Energia SGPS, e a venda de campos que já estão na fase de produção. A Total e a Statoil compraram participações em campos offshore operados pela Petrobras nos últimos dois anos.

“A Petrobras está aumentando a produção dela como um todo. A perda relativa é um sinal de que o Brasil está diversificando, o que é bom,” disse Jorge Camargo, especialista em petróleo do Cebri e ex-presidente do Instituto Brasileiro do Petróleo (IBP), em entrevista.

Entre em contato conosco e assine nosso serviço Bloomberg Professional.