Por Olga Kharif e Camila Russo.

Reguladores do mundo inteiro estão descobrindo que é extremamente difícil controlar o crescimento explosivo do dinheiro que não está vinculado a nenhum país.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, foi o último a exortar a regular as moedas criptografadas, dizendo que há “sérios riscos” de que elas possam ser usadas para lavar dinheiro ou sonegar impostos. O ministro das Finanças, Anton Siluanov, pediu que o dinheiro digital seja regulado como títulos, e assessores do banco central prometeram trabalhar com promotores para bloquear sites que permitem que investidores varejistas acessem bolsas de bitcoin. “Pensamos que é um esquema de pirâmide financeira”, disse Sergey Shvetsov, vice-presidente do banco central.

Iniciativas globais para regular o dinheiro digital têm acelerado nos últimos 30 dias, desde que a China proibiu as emissões iniciais de moedas (ICO, na sigla em inglês) e ordenou o fechamento de todas as bolsas de moedas criptografadas após realizar inspeções em mais de 1.000 locais de trading durante seis meses. Pelo menos mais 13 países impuseram novas normas ou anunciaram planos para reforçar as regulamentações, entre eles a Coreia do Sul, que também eliminou as ICO. Na semana passada, Ewald Nowotny, membro do Conselho do Banco Central Europeu, disse que o banco está discutindo “restrições legais concretas” à venda de moedas digitais.

Isso é algo que os criadores do bitcoin, a moeda digital mais famosa, já previam e para o qual eles se prepararam. Como o bitcoin funciona como uma rede interpessoal, os usuários podem comprar e vender moedas e proteger e perpetuar o sistema sem o envolvimento de governos ou bancos centrais. Tentar controlá-lo é “como tentar pegar água”, disse Alex Tapscott, CEO da NextBlock Global, uma empresa de capital de risco que investe em startups de blockchain.

As iniciativas públicas para controlar o dinheiro digital têm sido tensas, mas a tendência mais importante pode ser o número cada vez maior de administradores de recursos que consideram as moedas criptografadas como uma classe de ativos para investimento.

“O que é mais interessante é a sofisticação cada vez maior dos compradores institucionais de moedas criptografadas”, disse Nolan Bauerle, diretor de pesquisa da CoinDesk. “Esse novo tipo de comprador significa que isto é apenas um problema temporário. Há grandes somas de ordens prontas para passar para moedas criptografadas no curto prazo”. Hoje existem mais de 68 hedge funds com foco nessas moedas, muitos deles dirigidos por membros de Wall Street.

Entre em contato conosco e assine nosso serviço Bloomberg Professional.