Riscos decorrentes da transição da LIBOR

Análise por Sarah Jane Mahmud, analista sênior da Bloomberg Intelligence. Exibida pela primeira vez no Terminal Bloomberg.

Os bancos enfrentam seu maior desafio regulatório em décadas com a aposentadoria do benchmark mundial mais utilizado para taxas de curto prazo — a Taxa Interbancária de Londres (LIBOR) — no fim de 2021, e para algumas configurações em USD em 30 de junho de 2023. Em nossa opinião, a transição para uma taxa livre de risco irá gerar enormes riscos operacionais e de conduta que podem gerar multas, litígios e perda de participação de mercado. Os bancos da Ásia, especialmente em mercados emergentes, estão entre os mais expostos, em grande parte devido ao cenário regulatório fragmentado da região e ao uso pesado da LIBOR em dólar para índices locais.

Como acompanhar a transição da LIBOR? Saiba mais

Prestes a ser aposentado, o benchmark sustenta cerca de US$400 trilhões em produtos financeiros em todo o mundo, incluindo títulos, empréstimos e derivativos.

Pressão regulatória para remover a dependência da LIBOR pode incomodar os bancos. A transição da Taxa Interbancária de Londres (LIBOR, na sigla em inglês) pode ser considerada um dos maiores esforços regulatórios para bancos, com uma série de desafios operacionais e de compliance. Apesar do redirecionamento de recursos operacionais devido à Covid-19, é improvável que os bancos adiem a aposentadoria da LIBOR, embora haja espaço para certas exceções contratuais, em nossa opinião.

Covid-19 afeta os trâmites, mas sem grande impacto

Com recursos redirecionados para tarefas operacionais críticas durante a pandemia, credores enfrentam um cronograma apertado para se afastar da LIBOR até o final de 2021 ou, para algumas configurações em USD, até o prazo estendido de 30 de junho de 2023, o que permite que mais contratos antigos vençam antes do término do benchmark. Ainda assim, reguladores do Reino Unido seguem comprometidos em remover o benchmark até lá, o que significa que credores mundiais devem ativamente desenvolver novos produtos e interagir com os clientes.

No Reino Unido, espera-se concluir a conversão de todos os contratos LIBOR em GBP com maturidade a partir de 2022 até o fim do 3º trimestre e, se não for viável, garantir que fallbacks mais robustos sejam adotados. Há consultas ainda em andamento para contratos antigos mais complicados — o tempo é curto.

Transição LIBOR: principais objetivos

Fonte: Bloomberg Intelligence

Contratos antigos mais complicados ganham escudo regulatório

Empresas com fortes exposições antigas — contratos sem fallbacks robustos que provavelmente não serão alterados para referenciar uma taxa alternativa adequada antes do fim da LIBOR — ganham certa proteção com mudanças legislativas que permitem que a FCA crie uma LIBOR sintética por tempo limitado, além da data final. Embora ofereça às empresas um porto seguro contra litígios no curto prazo, pode levar a conflitos caso reguladores em todo o mundo não consigam harmonizar suas metodologias propostas para lidar com contratos antigos.

A FCA espera usar seus poderes para a LIBOR em GBP e avalia o caso para configurações da LIBOR em JPY e USD. Outros reguladores ao redor do mundo estão adotando uma abordagem semelhante, incluindo a Comissão Europeia e o Federal Reserve Bank de Nova York.

Contratos antigos da LIBOR

Fonte: Working Group on Sterling Risk-Free Reference Rates, Bloomberg Intelligence

Qual o problema com a LIBOR?

A LIBOR está sendo aposentada por reguladores devido à preocupação geral sobre sua confiabilidade após o escândalo de manipulação de taxas. Com base em um grande número de transações de dinheiro overnight, as taxas livres de risco são menos suscetíveis à manipulação. A Secured Over Night Indexed Average (SONIA) é a taxa preferencial nos mercados de GBP, e a Secured Overnight Financing Rate (SOFR) a preferência para contratos denominados em USD, com 973 notas corporativas de taxa flutuante no mercado. O uso extensivo da LIBOR USD na Ásia indica que bancos e reguladores da região têm decisões difíceis a tomar.

Cerca de 22 bancos estão no painel LIBOR, incluindo Barclays, BNP, Credit Suisse, HSBC, Mizuho, Royal Bank of Canada e UBS. A partir de 2022, a FCA não mais exigirá que eles contribuam, colocando um fim à LIBOR.

Principais pontos:

  • A LIBOR é uma taxa apurada, baseada em uma combinação de envios estimados efetuados por um grupo de bancos do painel, todos os dias úteis antes das 11h.
  • É calculada para cinco moedas (CHF, EUR, GBP, JPY, USD), com sete prazos para cada uma (overnight/spot next, uma semana, um mês, dois meses, três meses, seis meses e 12 meses).
  • A partir de 31 de dezembro de 2021, a Autoridade de Conduta Financeira (FCA, na sigla em inglês) removerá gradualmente este polêmico benchmark, avançando em direção às taxas livres de risco.
Agende uma demo.